17 de Novembro de 2009

...quem premeia ventos, colhe tempestades...

 

Acho que se pudesse ser um animal, queria ser um gato.

Tenho todas as qualificações para isso - por exemplo, asma. Logo, o incómodo das bolas de pêlo não constituiria um problema...

 

Depois de desabafo e porque hoje faz exactamente um ano que foi dia 17 de Novembro, vamos até à margem e atracar o nosso alguidar.

Num dilúvio como este, a fazer lembrar o fluxo de publicidade natalícia televisiva a brinquedos, cheguei a uma solução estonteante para pessoas que passam a vida a dizer que não têm tempo nenhum para nada.

Estão prontos?

...(rufar de tambor)...

Tornarem-se sonâmbulas!

Passar a ferro, regar as plantas, passear o cão, tomar banho, toda uma infinidade de opções que se podem deixar para o período de sono.

 

Entretanto e porque o caudal do rio já chega ás meias, outra coisa tão patética como o responsável pela pasta da tradução de títulos de filmes para português, é a situação "holywoodesca" que aparece num filme de cinema recente.

Estão certos indivíduos num carro e vê-se uma magnânima onda tsunami pela frente.

O condutor (preparem-se!), volta-se para os restantes e diz:

- AGARREM-SE!

...(????)...

Agarrem-se!?...Agarrem-se!?...

Os gajos estão prestes a ser engolidos, trucidados, esmagados pela força da água, para não mencionar os destroços, embates contra tudo e todos e ele diz "Agarrem-se!"!?

Agarrem-se a quê!? Ao puxador da porta!?

Já agora, ajuda se eu fechar o vidro da janela ou sustenho somente a respiração!? Fecho os olhos ou tapo o nariz!?...

 

Tão divertido como ser apanhado 41 vezes pela autoridade sem licença de condução, é ver o estado de conversação e entendimento entre as várias instituições, digamos responsáveis, de Portugal.

Por um lado temos escutas selectivas a chamadas em investigações que chegam a durar seis meses, por outro lado temos a falta de comunicação entre o Supremo Tribunal de Justiça e a Presidência da República.

Eu faço um apelo à Polícia Judiciária.

Há a possibilidade remota de emprestar um telefone a cada uma destas partes? Ou escutar uma parte e transmitir o recado à outra?...

 

Então, antes de irem selvaticamente espancar sebes de jardim, meditem nesta pertinente interrogação:

A que estaria eu sujeito, se não declarasse os meus rendimentos durante dez anos?

- Entregavam-me uma medalha de ouro e transportavam-me em ombros?

- Pediam-me um autógrafo?

- Davam-me a direcção de uma empresa pública?...

escrito por centrodasmarradas às 15:06 linque da crónica
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
15
18
19
20
22
23
25
27
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

os que venderam bem
6 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
mais sobre o espécime
saída de emergência
 
patacoadas
..ainda bem. Está na altura de trazer uma garrafa ...
Vinho é muito bom! concordo consigo :D
Esse reality show não teria grande sucesso, pois j...
...e será só ela, Rafeiro? Abraço...
Quando aparece o tipo a dizer porque é que a outra...
...a seu tempo, meu caro. A seu tempo...
...bem relevante!...e as garantias?...ningué...
Eu não sei se devemos dar dinheiro a esses tipos o...
1º Eu respondi a cena do ministro, queres a morada...
Eu juntava era esses criadores de dias mundiais e ...
blogs SAPO