04 de Maio de 2010

...a boda e a baptizado, não vás sem ser confirmado...

 

Assim como gritamos de dor quando pisamos uma pedrinha bicuda ao caminharmos descalços na rua, também o podemos fazer quando ouvimos a palavra "bazuca!" na rádio.

 

Não há maneira mais engraçada e positiva de começar o dia, do que ver que o país real começa a optar por experimentar a loucura de fazer uma greve ao Sábado. Espero que dê resultado, mas temo que com o tempo a começar a aquecer, os grevistas façam a greve a partir do mesmo local dos que optam pela abstenção num dia de eleições.

Numa altura pouco confortável para muitos países que continuam a praticar a política de proteger os altos quadros e a chamar a si o sacrifício das classes mais baixas, resolvi seguir outra via e quebrar mais uma barreira no jornalismo desinteressado, mas sempre tendencioso.

Meus mui digníssimos fiéis, absorvidos na cativante escrita e no improviso ditado à medida que vou escrevendo linhas até a crónica atingir uma determinada dimensão, é com um enorme orgulho e quase inatingível sentido de dever cumprido, que encontrei e decidi entrevistar o elo-perdido na longa estrutura dos grevistas. Tenho comigo Justino Folgado, grevista de greves.

- Justino Folgado, este é um enorme acontecimento. Agradeço-lhe desde já a oportunidade.

- Ora essa. Como havia uma greve sindical, isso deu-me uma aberta para poder estar aqui a conceder-lhe esta entrevista.

- Muito bem. Começava por lhe perguntar o porquê de optar por uma via como aquela que seguiu? Porquê fazer greve a uma greve?

- Olhe, tudo começou quando não me apeteceu ir votar. O dia estava maçador, cinzento, propício ao suicídio de alguém. Mesmo assim, era necessária uma justificação plausível para o meu ócio. Decidi então seguir a via mais alternativa. Fiz greve ao meu direito cívico.

- E a partir daí?

- Fui até ao centro comercial "anhar" um pouco.

- Não percebeu. Perguntava o que se seguiu para fomentar ainda mais o apelo à sua tendência?

- Ah! A partir daí, uma greve que houvesse, eu estava lá batido! Estive presente nas melhores greves que já se realizaram em Portugal. A melhor para mim foi sem dúvida, a greve por mim realizada em três actos.

- Como assim!? Elabore, por favor.

- Elaborarei. Há uns tempos num espasmo cerebral quase catártico, fiz uma greve faseada, isto é, em três alturas diferentes do ano. É claro que surgiu-me essa ideia dos festivais musicais que têm duas ou três partes, mas porque não fazer o mesmo e invocar uma greve, fazendo dela uma oportunidade para todos!? É que convenhamos, há quem não pode estar presente numa grave por estar a trabalhar!

- E há que criar oportunidades para todos?

- Parece-me óbvio, não acha? Então resolvi começar a convocar uma greve à greve, sempre que há uma greve.

E por outro lado, não sei se já observou, mas é francamente sempre a mesma coisa! Bandeiras em punho, bonés, camisas de manga curta, palavras de ordem bacocas...agora até apitos têm, mas acho que já é o desespero instalado.

- E diga-me em que é diferente a sua greve à greve?

- Eu ofereço bronzeador e praia.

- Bronzeador e praia...

- E cadeiras de praia.

- Mais alguma coisa?

- Chapéus.

- Para a praia?

- Não, para a cabeça...

escrito por centrodasmarradas às 14:09 linque da crónica
Ide mas é elaborar óóó...

Ja agora quando fizer diálogos distingua o interlocutor do interlocutado!!

Abraço ó altissimo!!:D
Johnny Saints a 4 de Maio de 2010 às 18:34
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

os que venderam bem
6 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
mais sobre o espécime
saída de emergência
 
patacoadas
..ainda bem. Está na altura de trazer uma garrafa ...
Vinho é muito bom! concordo consigo :D
Esse reality show não teria grande sucesso, pois j...
...e será só ela, Rafeiro? Abraço...
Quando aparece o tipo a dizer porque é que a outra...
...a seu tempo, meu caro. A seu tempo...
...bem relevante!...e as garantias?...ningué...
Eu não sei se devemos dar dinheiro a esses tipos o...
1º Eu respondi a cena do ministro, queres a morada...
Eu juntava era esses criadores de dias mundiais e ...
blogs SAPO