13 de Julho de 2009

...daltónico ou não, não vou ser eu a dizer-lhe...

 

Eu e o meu primo, quando eramos mais novos, costumávamos estudar o comportamento dos insectos.

Tenham como exemplo o facto de pegar em moscas, cortar-lhes as asas, colocá-las em frascos e assistir à desova prematura, resultante do aprisionamento forçado.

Mas não foi isso que me trouxe aqui...aliás, não sei bem o que foi, mas aproveito o facto para fazer uma pausa, até me relembrar qual o significado da vida.

 

...

 

Bom, depois deste momento algo intelecto-surreal, vamos agora ensinar um gafanhoto norte-africano, a etiqueta e boas maneiras de invadir a vegetação de um país estrangeiro, segundo o processo de aprendizagem Boboniano.

 

Marco Fortes tem razão...

De manhã, isto é bom, é para estar na caminha.

Oh se é! Uuui!

Para escapar a este hipnotisante dolce far niente, um despertador infalível e que poderá mostrar resultados significativos logo na primeira manhã, é ouvir a voz da Ann Free...e se for a cantar, o resultado é gritante.

 

Enquanto fazia de professor de língua portuguesa e, entre perda de sentidos consecutivas, corrigia bucolicamente livro a livro a pontuação de mais uma edição de Saramago, coloquei a hipótese sustentada de ter havido um lamentável mal-entendido na atribuição do galardão daquele sujeito sueco que misturou nitroglicerina com kieselguhr e patenteou o material com o nome de Dinamite e que é, sem dúvida, um ícone incontornável, para qualquer proprietário de uma mina ou de uma pedreira.

Aliando a estupidez à literatura, dou uma sugestão agradável para quem tem filhos em idade escolar e parte em férias.

Levem um livro deste pseudo-escritor (recomendo um com mais de cem páginas), e incentivem o infante a corrigir também ele um livro do homem que, intencionalmente, assassina a língua portuguesa e é tolerado pela maioría.

É uma situação ganha-ganha quer para a família, quer para a língua portuguesa.

 

Em Pamplona, quando sairem à rua, escolham a roupa com minúcia.

A cor vermelha e movimentos bruscos não são recomendados.

Isto tudo porque existe há décadas, um problema deveras complicado de solucionar, envolvendo animais abandonados nas principais ruas.

Por cá, é habitual vermos cães e gatos rafeiros, em Pamplona é mais touros e vacas...e alguns cães e gatos...gaivotas, não sei...

escrito por centrodasmarradas às 15:28 linque da crónica
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
15
16
19
21
27
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
os que venderam bem
6 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
mais sobre o espécime
saída de emergência
 
patacoadas
..ainda bem. Está na altura de trazer uma garrafa ...
Vinho é muito bom! concordo consigo :D
Esse reality show não teria grande sucesso, pois j...
...e será só ela, Rafeiro? Abraço...
Quando aparece o tipo a dizer porque é que a outra...
...a seu tempo, meu caro. A seu tempo...
...bem relevante!...e as garantias?...ningué...
Eu não sei se devemos dar dinheiro a esses tipos o...
1º Eu respondi a cena do ministro, queres a morada...
Eu juntava era esses criadores de dias mundiais e ...
blogs SAPO